06 julho, 2016

O lúdico na catequese




Brincar na catequese é coisa séria, dizia algum autor de livros catequéticos.
Mas não é brincar para preencher o tempo porque o catequista não planejou. Não é brincar para parecer que o encontro é legal. As brincadeiras devem ter um objetivo, até as que não estão relacionadas ao tema têm um propósito: propiciar o entrosamento, quebra-gelo etc. Não é brincar por brincar.  Então, como brincar na catequese? Como inserir dinâmicas com responsabilidade  nos encontros catequéticos?  

O lúdico não é o fim do encontro catequético. Isso quer dizer que brincar não é o objetivo final. O lúdico aparece como um recurso para chegar a um fim específico: que os catequizandos compreendam e vivenciem o tema do encontro. É importante também compreendermos a dinâmica de cada turma. Lembro que uns catequistas relatavam que tentavam incluir brincadeiras e os catequizandos não se mostravam receptivos. Geralmente, nos primeiros encontros de catequese, eles ficam muito tímidos e não interagem bem, por isso é importante dinâmicas de entrosamento, fazer apresentações para a turma ir se conhecendo. 






Podemos usar uma dinâmica para ver a realidade (ajudar a enxergar), passo "ver" do método  ver-julgar-agir-celebrar-rever. Esse é o momento do encontro que sempre pede um dinamismo  a mais. Precisamos ajudá-los a olhar e perceber a realidade, por isso as dinâmicas aqui fazem toda diferença. Você pode incentivar os catequizandos a trazerem suas histórias para o encontro. Deixá-los à vontade para falarem. Como sugestão, use música, imagens (fototeca  Clique aqui), linha da vida (clique aqui), contação de história seguida de questionamentos e reflexões ou outras dinâmicas.




O "celebrar"  pode ser dinamizado com música também ou uma dinâmica que  ajude a rezar e a entrar em intimidade com Deus. Nos encontros sobre perdão e pecado,  uso o Correio de Maria- o catequizando escreve uma oração num papel e deposita numa caixinha.






No encontro sobre Eucaristia, o celebrar pode ser a partilha do pão.




 Na hora da oração final, em círculo,  passar uma cruz e uma vela  para que todos segurem enquanto cantamos uma música é uma boa ideia para celebrarmos o encontro!

 O "rever" geralmente é um passo que fica esquecido.   Comparando com a produção de um texto, penso no rever como uma conclusão, quando, para fechar o texto, retomamos as principais ideias desenvolvidas nos parágrafos anteriores. Trazendo para o encontro catequético, é o momento de olhar de novo fazendo memória do que mais importante partilhamos. A grosso modo, seria um "resumo" para avaliarmos o encontro e para ter certeza de que o tema foi bem compreendido.  Eu sugiro um jogo para memorizar o encontro e guardar alguns conceitos importantes.



Ao final do encontro, de mãos dadas para a oração final, pedimos que cada um fale em voz alta uma palavra que represente o encontro- é uma forma de rever o encontro  também.

Com o tempo, eu te garanto que você sempre pensará no lúdico para seus encontros de catequese. E é muito bom quando, ao final do encontro, você saber que o lúdico contribuiu para que a mensagem chegasse mais fácil ao coração dos catequizandos.



Cris Menezes
Obrigada. Deus ama você!
Catequizando Feliz blog



Nenhum comentário:

Postar um comentário