Postagens

Mostrando postagens de Março, 2013

Formação para o catequista: A Festa da Páscoa

"Com meus olhos posso contemplar, devolveste a vida ao meu ser. Como amigo, tu vens me chamar, nem a morte pode te vencer!" (Ziza Fernandes)


Como chegaram os discípulos à fé na ressurreição de Jesus?
Os discípulos, que antes tinham perdido a esperança, chegaram à fé na ressurreição de Jesus porque, de diferentes formas, O viram após a Sua morte e falaram com Ele. Tiveram, portanto, a experiência de que Ele estava vivo.
Os acontecimentos pascais que tiveram lugar em Jerusalém por volta do ano 30 não são uma história inventada. Impressionados pela morte de Jesus e pela derrota da sua causa comum (Nós esperávamos que fosse Ele quem havia de libertar Israel. Lc 24, 21 ),os discípulos fugiram ou barricaram-se atrás de portas trancadas. Só o encontro com Cristo ressuscitado os libertou do seu entorpecimento e os encheu com o Espírito e com a fé de que Jesus Cristo é o senhor da vida e da morte.
Existem provas da ressurreição de Jesus?
Em sentido científico-natural, não há provas da …

Temos Papa

Imagem
 Habemus Papam!


Rezemos pelo nosso Papa Francisco. A Igreja Católica se rejubila com a chegada de um novo Pedro. Que  a Santíssima Trindade abençoe nossa Igreja, para que cresça e se fortaleça como igreja de Cristo que é. Sei que será um novo tempo para todos nós. 

Cris Menezes- Catequista Feliz

Dinâmica de apresentação- Catequese com crianças Quem eu sou?

Imagem
Acolhida e Oração inicial com a leitura do Salmo 138 Distribuir folhas em branco e pedir para que o catequizando faça um desenho de si  mesmo e escreva seu nome, aniversário, uma qualidade. 
Leitura e Partilha do Texto Assim sou eu "Elogio, xingo, agrado, desagrado, sou amável, às vezes mal-educado, bato, abraço, estudo, colo, partilho minhas coisas, quero tudo para mim, sou egoísta, generoso, calmo,agitado, obedeço, desobedeço, sou sincero, minto. Eu sou um tantão de coisas, e todas as coisas ao mesmo tempo. O bem, o mal, a alegria, a tristeza, tudo convive dentro de mim. Às vezes me sinto diferente; outras, tão igual aos outros. Quando ando depressa, penso que poderia ir mais devagar. Se saio correndo, tenho medo de cair. Se pulo corda, fico de olho na queimada. E assim vou vivendo um dia atrás do outro, buscando respostas, fazendo perguntas. Vou sendo feliz e até mesmo infeliz. Se em algum momento desacredito de algo, em outro sinto que a esperança me move. Sigo a minha estrada, …