20 dezembro, 2011

o que eu pretendo fazer para melhorar minha catequese?



 Bom, o que eu quero fazer para melhorar minha catequese é sair da sala da catequese, fazer o êxodo, ir ao encontro das famílias dos  catequizandos, visitá-los, conhecer a realidade dos meus pequenos. Fiz uma experiência maravilhosa numa dessas visitas. Eu sabia que a criança tinha uma família carente e ao chegar na casa, logo do portão, já fui percebendo o quão pobre aquela família era. Um barraco, higiene precária; roupas velhas jogadas pelo quintal; galinha andando pela sala. Sentamos no sofá, eu e o Sanderson, o catequista que me ajuda nos encontros, e começamos a conversar com o pai da nossa catequizanda.  Ele parece uma figura saída do cinema. Um homem simples, humilde, sábio e...poeta. Ele nos contou que escreve teatro e estava preparando para filmar um curta-metragem que tinha escrito. Imagine a minha surpresa! Nunca ia imaginar que naquela casa vivia um artista! Ele olhou para o barraco e nos disse que aquele lugar era o castelo dele; as filhas, suas princesas; e sua mulher, a rainha. Quando a rainha daquela família chegou, eu fui abraçá-la. Ela me olhou e disse com um sorriso: "Eu sou feliz". Não contive as lágrimas. Chorei.  Não pense que chorei de pena deles. Eu chorei porque acreditei naquela família, acreditei que havia (e há) felicidade ali. Eu chorei e choro sempre que falo nesta história... Porque eu já sabia que dinheiro não traz felicidade... Eu chorei porque sempre soube que queria fazer parte disto que chamam de amor, de família, de homem e mulher dividindo a mesma casa,  e deste amor nascer filhos. Em nenhum momento eu senti pena deles, porque vi amor, amor. Naquela família, o pão pode ser escasso, mas o amor não. Não estou elogiando a pobreza de jeito nenhum. Aquela família merece uma casa arrumada e mesa farta todos os dias. Sabemos bem que sem comida o corpo morre,  e sem amor nós estamos arruinamos, apesar de continuarmos vivos. Muita gente, apesar de morar em verdadeiros castelos, é infeliz. Saí daquela visita uma pessoa melhor, uma catequista mais cristã, um ser humano mais humano. .
Passada a emoção que este encontrou me causou, eu cheguei a conclusão que não basta conhecer a realidade em que vivem meus catequizandos. O segundo passo que preciso dar na minha catequese, é encontrar meios de ajudar as famílias.   É preciso chegar até as famílias, porque a catequese necessita passar pelos pais. Está aí meu propósito de 2012 para a catequese.

Cris Menezes* Catequista feliz/Catequizando feliz

( Texto que escrevi especialmente para o blog Sou Catequista de IVC, para participar da promoção de aniversário.)


16 dezembro, 2011

Conhecendo a Layse


Gente, conheci pessoalmente a Layse do blog catequese kids! Ela é muito querida. (O nome da Layse se pronuncia Laíse!! rs  Quase que não a encontro perguntando pela Layse.rs Brincadeirinha!!!!) Fiquei  feliz em conhecer a Layse e seus catequizandos.  Ela me convidou para falar  sobre a importância da Primeira Eucaristia, 75 crianças aproximadamente. Medo, eu senti. Mas não posso recusar a um pedido tão especial: falar de Jesus Cristo, minha Eucaristia. Fui e levei comigo o coordenador da Primeira Eucaristia da minha paróquia, o Clóvis. Foi maravilhoso. Agradeço a Layse pelo convite. Não consegui comentar o post do blog dela, mas queria dizer, Layse, que suas crianças são muito espertas e sabem de tudo na ponta do coração! rs Obrigada, Clóvis, pela disposição que teve quando também lhe fiz o convite e por todo o apoio. Sua participação na palestra foi fundamental e enriquecedora. Obrigada, catequistas unidos, pela oportunidade de participar deste grupo. Espero conhecer mais catequistas. Estou planejando viajar por este Brasil todo e quem sabe ter a alegria de conhecer vocês.   A catequese enriquece minha vida!