17 novembro, 2017

Ideias para o Calendário do Advento


O advento está chegando! Que tal bolarmos um calendário do advento para esperarmos o Natal? Vale montar um calendário para deixar em casa ou montar um para catequese. 

O calendário do advento funciona como uma contagem regressiva para a chegada do Natal. Então, as pessoas que fazem este calendário, costumam planejar atividades para se fazer em família ou reservar presentinhos para as crianças em cada dia do advento. Então, é necessário criar 24 ou 25 saquinhos numerados. Cada saquinho corresponderá a um dia do mês. Cada um conterá presentes ou atividades para aquele dia. Há muitas variações e muita criatividade.

Na catequese, podemos montar o calendário com os catequizandos, mesmo que não tivermos tempo acompanhar todo o calendário, porque a catequese entra de férias no começo de dezembro.  Mas só  de montar o calendário juntos já será uma atividade de integração e  confraternização! 


Vamos as sugestões!

(Todas as ideias foram retiradas do site Pinterest!)








16 novembro, 2017

Catequista é brega?


Designed by Vexels.com


Uma vez escrevi um texto sobre "catequista, professora ou tia?"  E recebi comentários de catequistas que não viam problemas em serem chamadas de tias.  Apareceu tanta polêmica que preferi tirar o post do ar. Será que estamos com conflito de identidade? Parece não haver um consenso entre nós. Fico pensando: Uma freira é chamada de freira; Um padre é chamado de padre; Um médico é chamado de médico (ou doutor). E nós catequistas? Por que tanta polêmica para escolhermos um nome que nos identifica? Como os pais nos veem? Eles nos veem como "a(o) tia da Igreja" ou a(o) catequista?" Vocês chamam seus catequizandos de alunos? O nome não importa mesmo? Tanto faz como nos chamam em casa, no trabalho, na faculdade? E por que não nos importamos em como somos chamados na Igreja?  Esses dias, na turma de crisma, o catequizando me chamou de professora.  Foi corrigido pelos crismandos, mas  retrucou: " falar 'catequista' é brega". 

O mais importante é o catequista compreender que ser chamado de tia ou professora é o reflexo de uma catequese que, por décadas, foi uma catequese-aula. E não vamos mudar esse hábito da noite pro dia. A catequese primeiro precisa mudar.   "A tia da catequese" pode nos indicar que a comunidade precisa mudar a forma como veem os catequistas. (Sei também que a "tia da catequese" se originou da "tia da escola".)  Mas quero deixar claro que quando inicio esta discussão é para que percebam uma outra questão central: não fazer da catequese uma  aula, mas um encontro. 

Muitos pais não compreendem o que é a catequese e para que serve. Inscrevem seus filhos por tradição para que eles possam receber os sacramentos. Já recebi cobrança de pais porque os filhos não anotavam nada no caderno.  Só que na Igreja acontece um "Encontro de Catequese", não uma aula. Catequese não é um estudo de Jesus. É um encontro com o Salvador. Queremos que os pais rezem com os filhos, vão para a missa com eles. Essa é a atividade de casa.  Nos encontros com os pais, podemos esclarecer os objetivos da catequese, como planejamos os encontros, qual é o nosso papel neste processo de catequização, qual é o papel dos pais... Falta diálogo e aproximação com os pais e com a comunidade.

Viemos de uma tradição de catequese-aula, quadro negro, giz, livro, caderno, prova, chamada, ditado de oração, ou seja, metodologia escolar.  Ás vezes o catequista pode concordar que catequese não é aula, mas será que abandonou todas essas práticas antigas ou continua repetindo a metodologia escolar nos encontros? Estamos em processo de mudança e caminhando para um novo jeito de se fazer catequese.  Precisamos nos colocar a caminho como os discípulos de Emaús. Ouvir o que a Igreja nos propõe como metodologia e itinerário.  Vamos mudar para
I N I C I A Ç Ã O   À   V I D A   C R I S T Ã : bíblia, oração, liturgia, sacramentos, fé, discipulado, caridade, mistagogia!
Vamos juntos?

Cris Menezes
Catequista

11 novembro, 2017

Igreja de Origami




Que tal fazer junto com seus catequizandos uma igreja de origami?
Podemos fazer esta atividade no encontro sobre os Mandamentos da Igreja.


É melhor usar o papel para dobraduras e de dupla face.  Assim quando dobramos para fazer a porta, a cor ficará diferente e irá destacar a porta. Como eu não tinha este papel em casa, usei os papéis que tinha e depois de pronto colei retângulos e quadradinhos de papel de cor diferente que usei para fazer a Igreja para destacar a porta e fazer janelas. E saiu melhor que a encomenda! rs






Assista aos vídeos. Quando achar que não vai conseguir finalizar a dobradura, assista mais vídeos.



Vi o vídeo no blog da Imaculada Cintra clique aqui .


E encontrei este vídeo também. É em inglês. 



07 novembro, 2017

Catequese em ação- Missão da Igreja





Um dia li que não se estuda Jesus, porque não se estuda uma pessoa. Pessoas a gente encontra, a gente conhece, a gente conversa, troca uma ideia, abraça, ajuda, caminha junto, ama. Por isso que a catequese não deve estudar Jesus, como um personagem da história apenas. A catequese deve levar o catequizando ao encontro com Cristo.

 Jesus amava as pessoas. Dedicou a elas sua missão. Foi por amor a elas e a Deus que Cristo se colocou a caminho. Reuniu um grupo de 12 homens (porque sozinho não se vai longe) e saiu para encontrar pessoas. Ele olhava a multidão e sentia compaixão por aquele povo sofrido, discriminado pela sociedade e pelo Estado. Nosso Mestre enviou 12 apóstolos para cuidar do povo que sofria. Ali nascia uma Igreja, uma comunidade.

Jesus percorria os vilarejos da época para curar aquela gente, falar do amor de Deus, perdoar os pecados. Uma multidão o seguia. Um homem subiu numa árvore para vê-lo passar. Era Zaqueu. Jesus, ao ver aquele homem, falou que iria visitá-lo em sua casa.  O Salvador ia ao encontro das pessoas.

Hoje somos a sociedade mais conectada de todos os tempos, mas será que isso  nos faz mais próximos das pessoas? E outra coisa, acho que nem de longe somos a sociedade mais feliz da história do mundo. Estamos cada dia mais egoístas, fechados nas nossas famílias. É preciso sair do nosso egoísmo para encontrar o outro. Esses dias li uma reflexão sobre o que estamos fazendo para evangelizar. Algo como: os discípulos de Jesus conseguiram difundir a boa-nova sem ter os recursos que temos hoje. Jesus era um comunicador, seus apóstolos também. E nós, cristãos leigos, também recebemos esta missão de comunicar o amor.  Jesus caminhava pelos vilarejos.  Nós, cristãos, caminhamos também? Estamos indo ao encontro das pessoas, como nos ensinou o mestre Jesus?

Já ouvi dizer que a crisma é conhecida por aí como o sacramento do tchau. Os crismados tomam chá de sumiço.  Então, o que fazer para mudar isso? Já algum tempo  a Igreja nos chama a atenção para uma catequese de Iniciação à Vida Cristã como nos primeiros séculos da Igreja. Uma catequese que se propõe a formar discípulos missionários de Jesus.  

Catequese em ação

Seguimos o método ver-julgar-agir para planejar os encontros de catequese. O problema é que o passo "agir" (Compromisso-ação-mudança de vida) acaba ficando só no "falatório". Por isso proponho que o catequista planeje uma ação conjunta com os catequizandos e alguma pastoral (Vicentinos, pastoral da saúde, pastoral da criança, ministros da  Eucaristia). 

Vamos refletir:

Vamos olhar para fora da igreja. Ajuste seus óculos: olhe a realidade (ver). É uma comunidade carente? Há muitas pessoas desempregadas? Há muitas pessoas doentes? 

O que Jesus diz? (Julgar)  Acompanhando os passos de Jesus, o que aprendemos das atitudes Dele? Como Ele socorria aquele povo sofredor? Como ir ao encontro do outro? 

Em que a catequese pode ajudar? (Agir) Podemos levar uma cesta de alimentos para uma família carente? Podemos visitar um doente? Podemos ajudar com doações para uma família que acaba de ter um bebê? 

(Encaixe esta ação em algum encontro de catequese, como: profetas, ser Igreja, Sacramentos...)

De catequizando a discípulo de Jesus


Dia 5 de novembro de 2017, saímos da sala de catequese para visitar uma família carente de nossa comunidade e levar frutas.  São jovens que se preparam para receber o sacramento da Crisma e numa manhã de domingo fizeram a experiência de ver Jesus no rosto de pessoas que sofrem.

 Na casa que visitamos mora um jovem que não fala e não anda. Acho que ele ficou feliz de receber a visita de tantos jovens. Nós levamos alimento, a palavra de Deus e cantamos uma musiquinha! E eu com meus catequizandos e com os Vicentinos aprendemos muito. Recebemos daquela família uma "catequese" do amor de Deus.

Quem nos aproximou desta família foram dois ex-crismandos da catequese com adultos, o Cícero e a Renata.   Ano passado eles eram catequizandos. Hoje são discípulos de Jesus. E  foi na catequese com adultos que despertam para o discipulado: foi numa visita que fizemos durante a catequese a uma família carente que o Cícero descobriu que queria servir a Deus na pastoral dos Vicentinos.  De catequizando a discípulo de Jesus. A catequese cumpre sua missão: formar discípulos.



Cris Menezes
Catequista 
Brasília-DF





29 outubro, 2017

Catequese criativa: Identidade cristã




Para falar sobre a identidade da Igreja Católica, entreguei para os catequizandos uma carteira de identidade cristã. Aqui na Internet tem alguns modelos. Você pode baixar um modelo de identidade comum e personalizar do jeito que quiser. Vi alguns modelos que  estão preenchidos com os dados da nossa vida cristã, como por exemplo filiação, local e data de nascimento.   Aja criatividade!

Como eu personalizei a identidade cristã?






Material utilizado:
-Papel vergê ( Em torno de 20,00 reais, na cor verde claro). Este papel fica perfeito.

Com um modelo de identidade comum e trabalhando no Paint, fui apagando todos os campos da identidade. Retirei tudo:  cabeçalho, assinatura, dados do verso.

No verso, eu colei a oração do credo- Símbolo dos apóstolos- porque esta oração é um resumo da nossa fé.

Depois de muitos testes, eu decidi por uma identidade minimalista! rsrs



*Esta oração do credo (em azul), eu baixei do Google. Se for imprimir, verifique se a resolução está boa. Eu acabei imprimindo a oração em separado e colado no verso da identidade, porque a impressora não estava boa.




Pedi para que desenhassem no lugar reservado à foto. (Pode colar uma foto 3x4 também).




Tive problemas com o cartucho da impressora. Por isso, precisei escrever com caneta. O nome da Igreja eu imprimi  e colei. Deixei aqui o modelo para você imprimir com essas informações já.






Como este material me ajudou a desenvolver o tema "Identidade da Igreja católica"

Eu li alguns textos de vários autores católicos e assisti a um vídeo do Professor Felipe Aquino sobre Identidade da Igreja. Inclusive, no vídeo, o professor compara uma identidade civil com a identidade da Igreja.

Eu incluí na identidade cristã alguns pontos importantes que nos identificam como cristãos: O credo, as palavras "Filho(a) de Deus (Batismo nos concede a identidade cristã, um novo nascimento.) Pensei ainda em incluir outros símbolos importantes: a cruz (sinal do cristão), a pomba do Espírito santo (Segundo o Papa Francisco,  é a "identidade do cristão"). Acabei optando por não colocar muitos símbolos.  Não tive tempo, mas queria criar uma identidade cristã em tamanho A4 para colar no quadro branco.


O que não deu certo no planejamento do encontro- Aprenda com meus erros



-Imprima em um rascunho antes de imprimir no papel definitivo. Eu fiz um modelo e imprimi umas 5 carteiras. Depois não gostei e perdi o trabalho que já tinha feito. 

-Tenha cuidado com imagens que irá utilizar: veja a fonte da imagem e verifique se tem direitos autorais. Pesquisei imagens na Internet para colar na carteira. Gostei de uma imagem com uns dizeres sobre jovens cristãos e depois descobri que era uma logomarca de um movimento evangélico! 

-Planeje com antecedência! Eu tive problemas familiares e precisei viajar. Quando fui montar a lembrancinha, eu estava a um dia do encontro de catequese. Precisei comprar tinta para impressora. Depois a impressora deu defeito e não queria imprimir, ou seja tudo o que se prepara com antecedência tem mais chance de resultados melhores.



"Sempre em frente!"
Cris Menezes
Catequista- Distrito Federal