04 dezembro, 2017

Edição Especial de Natal- Revista Digital



A terceira edição da Revista Digital Catequistas Unidos já está disponível!

Gosto de dizer que esta revista é uma colcha de retalhos catequética. Os retalhos-textos chegam de diversas regiões do país escritos pelos Catequistas Unidos (grupo de catequistas blogueiros) e os textos nascem da experiência de catequeses reais e mistagógicas.

Como uma boa colcha de retalhos, a Revista Digital Catequistas Unidos quer aquecer milhares de corações de catequistas espalhados por aí. Por isso, se gostar do conteúdo da nossa revista, nos ajude a espalhar  compartilhando com seus amigos catequistas.



Clique aqui para fazer ler a revista online. Se quiser, pode fazer o download. É necessário fazer um cadastro rápido no site ISSUU ( que hospeda a revista).


Abraços,

Cris Menezes

19 novembro, 2017

A vida pede tempo



Esta arvore é a Tuia Holandesa. Comprei ano passado para ser minha árvore de Natal.


Por Cris Menezes 

As coisas mais lindas da vida precisam de tempo para acontecer.  A vida é gerada no útero materno por 9 meses. Uma rosa demora semanas para desabochar. Um bolo demora 40 minutos para assar.  A vida se resume em... tempo. O tempo rege nossas vidas. Sei que hoje vivemos numa sociedade que valoriza o instantâneo: a foto que não tem revelação, o macarrão que cozinha em 3 minutos. Tudo grita pressa. Mas o ritmo da natureza é outro. Estamos imersos numa tecnologia digital, mas a natureza é analógica. A Terra demora para girar em torno do sol para gerar o dia e a noite. Não tem como ajustar  a duração, nem a intensidade deste processo. 

Como seria a vida se não medíssemos o tempo, sem não tivéssemos a divisão do tempo em dias, meses, anos? O homem sempre teve necessidade de contar e dividir o tempo! Acho que sem a organização do tempo não teríamos as cidades.  O relógio é que controla a cidade. Por isso que em muitas cidades, tem uma praça do relógio. Tempo de trabalhar, tempo de dormir. Tempo. A propósito, o relógio é uma das invenções mais antigas da humanidade. Num dia de catequese, alguém perguntou as horas e uma catequizanda disse que aprendeu a ver as horas observando a posição do sol. Aprendeu com sua avó índia. Em que momento da nossa evolução desaprendemos a observar a natureza? Foi neste momento que nos desconectamos da nossa natureza selvagem. Não sabemos mais que horas do dia são, a não ser que consultamos no celular.

Na Igreja, temos também a contagem e divisão do tempo. Não vivemos um dia sem fim na nossa vida cristã. A Igreja organizou a vida cristã em tempos: tempo comum, advento, Natal, Quaresma, Páscoa...Em poucos dias, entraremos no tempo do advento. A palavra advento se origina do latim e quer dizer "chegar". A chegada do menino Jesus é atualizada todos os anos, como um ciclo de vida: Cristo é gestado em Maria, o menino nasce, cresce, inicia a vida pública, morre na cruz, ressuscita. O cristão nasce e cresce neste processo de esperar Jesus chegar (advento), acolhê-lo (Natal), seguir Seus passos, morrer e renascer com Cristo (Quaresma e Páscoa). Este é o nosso itinerário.

Penso no advento como uma gravidez (tempo de gestação e espera). Enquanto o filho cresce na barriga da mãe, ela se prepara para o dia do seu nascimento. Escolhe o nome, faz o enxoval, chá de fraudas, arruma o quarto, conversa com o filho ainda na barriga. Os pais se enchem de expectativa para o grande dia. A chegada do bebê transformará suas vidas para sempre. A gestação dura 9 meses. O Advento, 1 mês.

A sociedade também se prepara para o Natal enfeitando as cidades com luzes e as casas com árvores de mentirinha cheia de enfeites e pisca-pisca.  Não há  nada de errado nisso quando compreendemos o verdadeiro sentido do Natal.  Se juntarmos a família para montar a árvore de Natal? Vivemos hoje tão distantes uns os outros. Cada um conectado no seu celular que reunir todos para uma atividade como "montar a árvore" pode ser um momento de integração em família e pode ser divertido. Esses momentos em família, por mais simples que  possam parecer, nos deixam memórias que duram para sempre.

Comprar presentes se tornou a principal ação do Natal na sociedade. Vá ao shopping no início de dezembro para ver a movimentação.  Ganhar presentes é bom, não é? Quem não gosta? O problema é quando esquecemos que o maior presente que podemos ganhar é a presença das pessoas que temos estima. Não esqueça que alguns presentes não vendem em loja: carinho, atenção, respeito, diálogo, presença, amor, amizade. É incalculável. Não tem medida. Por isso não se vende. São os presentes invisíveis do Natal. Diga "eu te amo" para as pessoas. Presenteie se puder e se saber que para a outra pessoa é importante, mas esteja do lado da pessoa quando ela abrir o presente. Esteja junto. Este é o presente verdadeiro.

Seja criativo. Faça você mesmo(a) um presente. Coisas simples que tenho certeza que terão um significado enorme. Há presentes simples que podemos criar em casa, personalizar, preparar, como uma caixinha para depositar orações, um caixinha com versículos bíblicos ou poesia, um terço, uma flor de tecido para o cabelo... Presentes que nós mesmos confeccionamos são carregados de afeto. Hoje desaprendemos a criar, queremos comprar tudo pronto na loja. 

E para se preparar melhor neste tempo, que tal fazer  uma agenda do advento?  Revise e planeje sua vida. Este é o tempo de olhar para si mesmo(a) e ver o tempo que passou (não podemos mudá-lo) e olhar para o futuro e sonhar (planejar). É preciso preparar a alma para viver o "presente" que Deus nos reserva: o Natal.


Algumas sugestões:

1. Vá ao encontro das pessoas.
2. Escolha roupas e sapatos para doar
3. Visite um amigo que não vê a tanto tempo.
4. Escreva um diário.
5. Crie uma play list de músicas que gosta de ouvir e compartilhe com a família e amigos.
6. Repense seu consumismo. Você realmente precisa de uma roupa nova?
7. Faça uma lista do que você precisa mudar e melhorar.
8. Faça um presépio reciclado.
9.  Avalie sua caminhada cristã.
10. Faça elogios sinceros para as pessoas.
11. Pratique a paciência e tolerância.
12. Leia o Evangelho da liturgia diária.
13. Visite quem está doente.
14. Escute as pessoas.
15. Dance.
16. Converse com Deus.
17. Desconecte da Internet.
18. Diga "eu te amo".




***

Escute

Música: Paciência ( Lenine)



17 novembro, 2017

Ideias para o Calendário do Advento


O advento está chegando! Que tal bolarmos um calendário do advento para esperarmos o Natal? Vale montar um calendário para deixar em casa ou montar um para catequese. 

O calendário do advento funciona como uma contagem regressiva para a chegada do Natal. Então, as pessoas que fazem este calendário, costumam planejar atividades para se fazer em família ou reservar presentinhos para as crianças em cada dia do advento. Então, é necessário criar 24 ou 25 saquinhos numerados. Cada saquinho corresponderá a um dia do mês. Cada um conterá presentes ou atividades para aquele dia. Há muitas variações e muita criatividade.

Na catequese, podemos montar o calendário com os catequizandos, mesmo que não tivermos tempo acompanhar todo o calendário, porque a catequese entra de férias no começo de dezembro.  Mas só  de montar o calendário juntos já será uma atividade de integração e  confraternização! 


Vamos as sugestões!

(Todas as ideias foram retiradas do site Pinterest!)








16 novembro, 2017

Catequista é brega?


Designed by Vexels.com


Uma vez escrevi um texto sobre "catequista, professora ou tia?"  E recebi comentários de catequistas que não viam problemas em serem chamadas de tias.  Apareceu tanta polêmica que preferi tirar o post do ar. Será que estamos com conflito de identidade? Parece não haver um consenso entre nós. Fico pensando: Uma freira é chamada de freira; Um padre é chamado de padre; Um médico é chamado de médico (ou doutor). E nós catequistas? Por que tanta polêmica para escolhermos um nome que nos identifica? Como os pais nos veem? Eles nos veem como "a(o) tia da Igreja" ou a(o) catequista?" Vocês chamam seus catequizandos de alunos? O nome não importa mesmo? Tanto faz como nos chamam em casa, no trabalho, na faculdade? E por que não nos importamos em como somos chamados na Igreja?  Esses dias, na turma de crisma, o catequizando me chamou de professora.  Foi corrigido pelos crismandos, mas  retrucou: " falar 'catequista' é brega". 

O mais importante é o catequista compreender que ser chamado de tia ou professora é o reflexo de uma catequese que, por décadas, foi uma catequese-aula. E não vamos mudar esse hábito da noite pro dia. A catequese primeiro precisa mudar.   "A tia da catequese" pode nos indicar que a comunidade precisa mudar a forma como veem os catequistas. (Sei também que a "tia da catequese" se originou da "tia da escola".)  Mas quero deixar claro que quando inicio esta discussão é para que percebam uma outra questão central: não fazer da catequese uma  aula, mas um encontro. 

Muitos pais não compreendem o que é a catequese e para que serve. Inscrevem seus filhos por tradição para que eles possam receber os sacramentos. Já recebi cobrança de pais porque os filhos não anotavam nada no caderno.  Só que na Igreja acontece um "Encontro de Catequese", não uma aula. Catequese não é um estudo de Jesus. É um encontro com o Salvador. Queremos que os pais rezem com os filhos, vão para a missa com eles. Essa é a atividade de casa.  Nos encontros com os pais, podemos esclarecer os objetivos da catequese, como planejamos os encontros, qual é o nosso papel neste processo de catequização, qual é o papel dos pais... Falta diálogo e aproximação com os pais e com a comunidade.

Viemos de uma tradição de catequese-aula, quadro negro, giz, livro, caderno, prova, chamada, ditado de oração, ou seja, metodologia escolar.  Ás vezes o catequista pode concordar que catequese não é aula, mas será que abandonou todas essas práticas antigas ou continua repetindo a metodologia escolar nos encontros? Estamos em processo de mudança e caminhando para um novo jeito de se fazer catequese.  Precisamos nos colocar a caminho como os discípulos de Emaús. Ouvir o que a Igreja nos propõe como metodologia e itinerário.  Vamos mudar para
I N I C I A Ç Ã O   À   V I D A   C R I S T Ã : bíblia, oração, liturgia, sacramentos, fé, discipulado, caridade, mistagogia!
Vamos juntos?

Cris Menezes
Catequista

11 novembro, 2017

Igreja de Origami




Que tal fazer junto com seus catequizandos uma igreja de origami?
Podemos fazer esta atividade no encontro sobre os Mandamentos da Igreja.


É melhor usar o papel para dobraduras e de dupla face.  Assim quando dobramos para fazer a porta, a cor ficará diferente e irá destacar a porta. Como eu não tinha este papel em casa, usei os papéis que tinha e depois de pronto colei retângulos e quadradinhos de papel de cor diferente que usei para fazer a Igreja para destacar a porta e fazer janelas. E saiu melhor que a encomenda! rs






Assista aos vídeos. Quando achar que não vai conseguir finalizar a dobradura, assista mais vídeos.



Vi o vídeo no blog da Imaculada Cintra clique aqui .


E encontrei este vídeo também. É em inglês.